Olá galera,

Vamos falar um pouco do que é o In-Place Hold no Exchange 2013, tanto On-Premises quanto Online, onde ambos tem as mesmas configurações e opções. Contar um pouco da origem e da necessidade de se manter mensagens eletrônicas em “hold” e também quando a Microsoft começou a se preocupar com isso.

Então, o nosso sumário desta série de artigos é:

  • História do Litigation
  • Comparativo: Litigation Hold vs In-Place Hold
  • In-Place no Exchange Online
  • Problemas de se usar o Litigation
  • Permissões para administração do In-Place Hold
  • Workflow do processo de retenção
  • Workarounds utilizando o In-Place eDiscovery no Exchange Online

Workarounds utilizando o In-Place eDiscovery no Exchange Online

Para finalizar nossa série de artigos, vamos citar aqui recursos interessantes e úteis para se utilizar com o In-Place Hold eDiscovery do Exchange 2013/Online. Um deles é a visualização de uma “estatística” da mailbox (ou das mailboxes, já que a regra de eDiscovery pode ter como escopo até um grupo) que faz parte da rule. Vejam:

in-place eDiscovery & hold - Microsoft Exchange - Microsoft Edge

Mas o recurso mais interessante mesmo é a exportação de conteúdo para PST, utilizando o próprio browser, e nada mais! Tudo que o navegador em questão precisa é ser compatível (Internet Explorer, Edge, Mozilla e Chrome são atualmente) e ter o .NET Framework 4.5. Veja abaixo como funciona:

Export to a PST File

eDiscovery PST Export Tool

Após este processo de exportação, ele irá gerar uma série de arquivos, conforme exibido abaixo, sendo cada qual com sua finalidade. O “.config.txt” é um arquivo com as entradas adicionadas na rule de In-Place, que mantém as informações selecionadas nas opções exibidas no Export, e também o horário da ação executada.

Já o arquivo “.resultslog.csv” contém uma séria de informações, no modelo Report, das mensagens contidas em cada mailbox exportada, com informações separadas em colunas como Source Mailbox, Item, Original Path, Target Path, E-mail Address, Received Time, Sent Time, entre outros.

Os outros dois arquivos são os .PSTs, criados individualmente para cada mailbox que faz parte da regra de In-Place Hold exportada. Interessante também do recurso é que se a mailbox possuir mais de 10 GB de conteúdo, a ferramenta fará automaticamente um split do PST ao chegar próximo deste valor, gerando um novo PST para a mesma mailbox referida. Isso se dá por conta das recomendações da Microsoft quanto à utilização de arquivos PST (KB982577 e KB297019).

Editar post ‹ Blog do Lopez — WordPress - Mozilla Firefox

Dica: Se os botões de ação do In-Place Hold não estiverem sendo exibidos, como no realce abaixo, é porque as permissões não foram inseridas corretamente. Veja na seção 2 deste artigo como realizar a configuração da permissão corretamente.

in-place eDiscovery & hold - Microsoft Exchaqnge - Microsoft Edge

Então foram estas as dicas, galera!

Espero que tenham ajudado à vocês e que o conteúdo tenha sido eficaz!

Abços e até o próximo post,

Referências Oficiais: